Para nós do purpletrance é um orgulho escrever sobre o pessoal da Psychofreaks, pelo crew ser de Campinas (nossa casa) e amigos de longa data, temos um carinho especial.  Em uma das primeiras festas organizadas aqui em Campinas fizemos parte do crew participando da organização e podemos comprovar que eles realmente são amantes desse movimento e dessa cultura, sempre preocupados com as raízes do trance.

Contando uma história rápida da festa, a primeira edição (se podemos chamar de primeira) da Psychofreaks aconteceu numa chácara em Monte Mor em 2011 onde os vizinhos escreveram o bilhete abaixo, claro que foi uma festa simples e sem muitos preparativos, não havia organizadores, somente uma galera em busca de um pouco de música e diversão, após essa primeira edição houveram inúmeras outras na fazenda Mandacaru em Campinas e na Cachoeira (onde foram organizadas as primeiras Shiva Trance) pra quem é da região de Campinas conhece bem esses locais.

Bilhete que os vizinhos deixaram no portão

Bilhete que os vizinhos deixaram no portão

No começo a festa não tinha muitas pretensões, normalmente cobrando valores simbólicos entre R$10,00 e R$20,00 de entrada e liberando a entrada de bebidas, depois das primeiras edições a festa foi tomando a forma de festas mais undergrounds, levando nomes de peso da cena dark psychedelic como Tyamat, Automata Theory, Will’o Wisp, Glosolalia, Quantum Mechanica, Cracked Nozes, Pandora’s Box, Abyss Ooze, Rawar, Sator Arepo, Loke, Hutti Heita, Elowinz entre outros representantes das batidas mais aceleradas e densas

Com o passar do tempo a festa foi ganhando respeito na cena brasileira, mudando a comunicação, melhorando a organização e focando cada vez mais na produção de festas voltadas aos amantes do som noturno, isso ainda na época que esse estilo de música não tinha tanto espaço em festas e festivais, se não me falha a memória o único núcleo que produzia esse estilo de festa era a Xyryry Kuaray, após alguns anos de produção o núcleo da Psychofreaks começou a fechar parceria com o núcleo da Shiva para organizar um stage especial ao melhor estilo Psychofreaks somente com sons noturnos.

O núcleo da Psychofreaks sempre foi formado por frequentadores e amantes da cena underground seguindo a ideia de “mais psicodelia, menos frescura”, a aura da festa sempre foi de muito respeito, talvez pela proporção não muito grande da festa o intuito sempre foi proporcionar um ambiente mais amigável e não muito comercial.

 

Mas qual o objetivo desse texto? É post patrocinado? 

Não, não é post patrocinado!
O intuito desse texto é abordar um núcleo de festa que sempre fez a diferença na cena underground, com o advento das festas de progressive (aquelas que o público espera o drop pra sair pulando) a cena underground foi sendo deixada de lado, me lembro de assistir uma entrevista com o Rica Amaral para o site psicodelia terráquea onde ele fala que as festas tem a responsabilidade de apresentar novas experiências para o público, desde a cenografia com experiências visuais até a parte musical onde o DJ tem a responsabilidade de proporcionar educação musical e trazer novas experiências sensoriais na pista de dança, é isso que falta para a cena nos dias de hoje.

Para quem não sabe, a cena psy trance no Brasil é a maior do mundo, temos o maior número de festas por ano e o maior público, como o Brasil é esse país continental temos festas de norte a sul todos os finais de semana e São Paulo é o principal estado, o número de festas é muito alto e a cada dia que passa esse número aumenta e junto com ele pipocam festas que não estão nem ai em proporcionar novas experiências para o público.

É sempre bom ter conhecimento sobre a história e os acontecimentos que rondam os bastidores das festas, quando você for escolher que festa ir e apoiar, lembre-se que há festas e festas e que muitas estão focadas em lhe proporcionar experiências sensoriais diferenciadas e não somente divertimento plástico e reciclável.

Ficou curioso com a proposta do núcleo?
Vai rolar uma pista da Psychofreaks na Shiva Shankar no dia 28 e 29 de outubro de 2017, com um line-up de respeito com nomes como Derango e Elowinz, corre lá na página e apoie o núcleo garantindo sua experiência.